Luís Leocádio é um caso sério na nova vaga de enólogos em Portugal. Os recém lançados vinhos Titan, o projeto pessoal, sublinham um trajeto que promete muito e que se tornou mais afirmativo na autêntica revolução operada nos vinhos da Quinta do Cardo, Beira Interior.

Natural do Douro, naquela região trabalha ainda os vinhos da Quinta dos Lagares, Quinta do Estanho e Quinta da Cuca. Mas, não é tudo. Há ainda a Casa Anadia (Dão) e as Portas da Tulha (Vinho Verde).

A seguir, entrevista na íntegra para ouvir em formato Podcast, com destaques de leitura também nesta página.

»DOWNLOAD«

“A ideia do Titan surge da vontade de voltar um pouco às origens, de Trevões e de Paredes da Beira. Sempre achei que eram zonas fantásticas, a fugir um bocadinho para a Beira Interior, com vinhas de 700, 800 metros de altitude. Um Douro um pouco diferente, que já não produz Vinho do Porto (já não há muitas licenças ali), um Douro que foi um pouco abandonado, onde não há vinhas novas, ficou um património de vinhas velhas (…) Em 2016 surgiu a ideia dos vinhos Titan”.

“Na Quinta do Cardo nunca poderia fazer vinhos comerciais e de estilo internacional. Era uma quinta e um terroir que teriam que ser muito respeitados. Basicamente era começar o projeto de início, mostrar às pessoas que tem um perfil próprio, produz vinhos – tal como a região – com um carácter muito próprio e era esse estilo que teria que ser trabalhado e fazer reconhecer no mercado, não fazendo dela um novo Alentejo ou um novo Douro, que normalmente é a tendência de projetos que não estão tão seguros”.

“Tenho um carinho muito especial pelas pessoas que viveram sempre o vinho fora de um contexto económico”.

“O carácter de um vinho, para além da vinha, está nas pessoas.As pessoas que cuidam da vinha e do vinho. Isso vai refletir-se muito na vinha, mesmo em zonas onde a viticultura não é excelente, onde a adaptação das castas não é boa, onde a maturação não é a melhor, acabamos sempre por notar algo mais quando as pessoas envolvidas nesse pequeno projeto estão ali de corpo e alma e acreditam no que fazem”.

“A breve prazo gostaria de ser um dos responsáveis pelo reavivar de uma região como Lafões”.

_fotos cedidas pelo enólogo Luís Leocádio